Acontece

Ensino

Além do exigido pelo MEC: estudantes têm capacitação com mais atendimentos

Curso de Medicina assegura mais leitos que o mínimo exigido pelo MEC e proporciona uma formação eficiente e humanizada aos acadêmicos.

Faculdade Integrado

publicado em 20/10/2017 16h56 | atualizado em 23/10/2017 10h15

Os estudantes estão inseridos no Sistema Único de Saúde desde os primeiros meses de aula

Os estudantes estão inseridos no Sistema Único de Saúde desde os primeiros meses de aula

Entre as exigências do Ministério da Educação (MEC) para a aprovação de um curso de Medicina está o número de leitos por estudante da graduação. Essa é, sem dúvida, uma das grandes questões quando se trata de uma formação no interior. O município de Campo Mourão, com cerca de 94 mil habitantes, é polo de uma região de 25 municípios que assegura, ao curso de Medicina da Faculdade Integrado, que as expectativas sobre esse critério sejam superadas com êxito.

Nosso curso oferece, com as parcerias formadas, mais de cinco leitos por estudante. O número vai além do mínimo exigido pelo MEC e é uma enorme conquista para os nossos acadêmicos. “A estrutura de estágio consegue abrigar todos os estudantes de uma forma ampla, devido aos diversos convênios que foram feitos, e faz com que tenhamos mais leitos disponíveis”, garante Tiago Feitoza, um dos professores responsáveis pela implantação do curso na Faculdade Integrado.

Por que esse número é tão importante?

Com mais leitos, os estudantes têm maiores condições de respeitar os pacientes durante o seu período de estágio. Já o paciente, por sua vez, passa a se sentir mais acolhido. “A ligação com os pacientes, por exemplo, dentro da Unidade Básica de Saúde (UBS), ao longo dos seis anos de graduação, permite que o acadêmico conheça realmente as necessidades de saúde não apenas dos pacientes, mas também da sua família e da população com quem tem ligação”, explica Tiago.

Dessa maneira, o paciente também passa a ser agente do processo de formação do estudante. “O paciente é acolhido e entende que relatar seu problema de saúde e falar das suas necessidades ajudam a formar alguém”, considera o professor. Para ele, esse é um dos pontos principais quando se trata da humanização da formação do acadêmico de Medicina da Faculdade Integrado.

Entendendo a exigência

O MEC entende que o mínimo necessário de leitos por cada vaga oferecida no vestibular deve ser cinco para a formação de um bom médico. Com menos que esse número, o estudante se torna incapaz de diagnosticar e tratar cerca de 80% dos pacientes com doenças mais comuns, e inapto para referir casos que necessitem de cuidados especializados.

Contato com o público

Desde os primeiros meses de aula, os estudantes de Medicina da Faculdade Integrado já começam a ter contato com os pacientes, primeiramente nas UBS. “Quando o estudante vai para a UBS, suas atividades começam em um grau de complexidade menor e, conforme vai aprendendo, vai aumentando o grau de complexidade do conjunto de conhecimentos médicos”, explica Tiago.

Dessa maneira, primeiramente o acadêmico aprende questões relacionadas a visitas domiciliares, cadastros e afins e, já nesse momento, tem o primeiro contato com as famílias da UBS que foi direcionado. “Depois, conforme vai aumentando o seu grau de atividades e conforme esses pacientes vão tendo necessidades de saúde, eles vêm para a UBS e, toda vez que esse paciente tiver um atendimento, tem a opção de ter sempre o mesmo aluno acompanhando essa família, criando um vínculo”, finaliza o professor.